Crônica: Ser louca custa caro

outubro/2014 – Minha vida tá uma loucura. Acabei de “acampar” na casa de uma amiga, despachei a filha para a casa do pai dela, e vendi todos os meus móveis. Tudo isso num mês tumultuado, em meio a viagens de trabalho e a festa de 18 anos da minha filhota. Agora sou, oficialmente, uma “sem teto” funcional. É óbvio que dei uma “surtadinha” básica; afinal, é pra “pirar” qualquer cabecinha centrada. Imagine a minha!

E lá vou eu, consultar com o meu psiquiatra. Ele reforça a dose de ansiolíticos e prescreve tranquilizantes para tomar a cada piscar de olhos; já a minha psicanalista recomenda que eu me livre de algumas “pedras no sapato” (como se isso fosse fácil) e, é claro, seguir as orientações médicas.

Ok, como sou um perigo para mim mesma, e nem eu me suporto quando estou “atacada”, submeto-me aos “doidos” que me tratam. Sendo assim, lá vou eu à farmácia. Agora, vamos combinar: é um baita “mico” ficar preenchendo todos os seus dados pessoais atrás de cada receita, em frente às pilhas de caixas daqueles remédios controlados, e todo mundo vendo. Dá uma sensação de que as pessoas pensam: “coitada, o que será que ela tem, pra tomar tanto remédio?”

Depois da burocracia, a atendente anuncia o preço da “brincadeira”. Quase caio pra trás. Meu Deus! Me dei conta de que custa muito caro ser louca. Só o que gasto com psiquiatra, psicanalista, e remédios daria pra eu fazer uma viagem para a Europa uma vez por ano, e de primeira classe. Tá louco! Quer dizer, estou louca!

Saio da farmácia, dirigindo apressada, e ouço no rádio uma pesquisa que diz que casais sem tempo marcam hora para fazer sexo. “Vidinha” engessada, com agenda programada até para ter tesão. Fala sério! Que se dane! Prefiro minha coleção de insanidades, que me fazem viver intensamente momentos não planejados e infinitas quebras de rotina. Em seguida, ultrapasso um carro lento que está na minha frente e, apressada, furo o sinal vermelho. Pelo retrovisor, vejo o casal do carro que ficou pra traz olhando chocado para mim, e deu pra ler os lábios dele dizendo pra ela: “louca”, no caso, me definindo. Pensei: será que é um daqueles casais da pesquisa? Quanto à minha loucura, mal sabem eles… kkkkkkk 

Da série #CrônicasAntigas
Relembrando!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s